Banco do Brasil, uma excelente empresa para se trabalhar

Artigos recentes
Por Guilherme Cabral | 13/01/2011 17:01

Trabalhei no Banco do Brasil por quinze anos, minha esposa por doze, minhas duas cunhadas e minha filha trabalham. Perguntam-me se o Banco do Brasil é uma boa empresa de se trabalhar. Não tenho dúvidas ao responder que sim.

Primeiro, o ambiente físico é salutar, limpo e agradável. O tempo de trabalho é, regra geral, de seis horas, ou seja, você tem um tempo do dia livre para resolver seus problemas particulares, inclusive, minha filha trabalha à tarde no banco e cursa Fisioterapia pela manhã. Você tem um salário inicial interessante, que não é muito comum nas empresas privadas; particularmente, para quem não tem alguma formação específica ou curso superior. Você tem um dos melhores planos de saúde: a CASSI; e o melhor fundo de pensão do Brasil: a PREVI, com uma aposentadoria garantida e numa idade excelente para se aposentar.

O funcionário do BB, com uma pequena aplicação em um Plano de Previdência (do próprio BB) - PGBL, por exemplo, pode sair com três aposentadorias (previdência social, PREVI e PGBL (ou VGBL). O BB possui um dos melhores seguros de vida do Brasil e em condições melhores para os funcionários. O funcionário, quando em viagem de férias ou em serviço, encontra uma AABB - Associação Banco do Brasil praticamente em todo o território nacional. Aliás, quando fiquei por doze dias na cidade de Ilhéus - BA, curti bastante a AABB de lá, que ficava de frente para o mar. O funcionário sempre é recebido muito bem pelos colegas.

Ainda existe a facilidade de promoção, se tiver interesse. Além disso, o banco é bastante eclético, já que existem diversas áreas para o funcionário optar, como área jurídica, contábil etc. O banco ajuda a pagar cursos de graduação, pós-graduação, idiomas etc, fora o recebimento de participação nos lucros do banco (PLR), duas vezes por ano. Há funções comissionadas, como Caixa Executivo, Supervisor, Gerências diversas, o que gera status, o funcionário do BB é muito respeitado pelas populações das cidades.

O pagamento é líquido e certo, sem nunca atrasar, gerando uma tranquilidade ao funcionário para que possa assumir compromissos financeiros; 13º salário, dividido em duas parcelas. A enorme capilaridade de suas agências, o Banco do Brasil tem agências praticamente em todas as principais cidades do Brasil, oportuniza ao funcionário transferências. O funcionário que quiser, em princípio, terá oportunidade de conhecer o Brasil, variando de agências de tempos em tempos.

O ponto eletrônico garante ao funcionário que o seu horário será cumprido sem sobrecarregá-lo com horas excessivas. Caso trabalhe fora das seis horas, tem direito a horas extras. A oportunidade de se trabalhar em serviços de compensação, CSL, CSO e diretorias diversas, em horários noturnos, deixa seu dia totalmente livre para outras atividades. Tive dois colegas que se formaram em Medicina, trabalhando no banco.

Por fim, o BB é promissor, interessante e, aquele que desejar permanecer na carreira tem um turbilhão de oportunidades. Por isso, o Banco do Brasil continua uma excelente empresa para se trabalhar.

* Professor Guilherme Castro Cabral é ex-funcionário do Banco do Brasil S.A. (por 15 anos), dos quais, oito anos como Gerente; Estudou Matemática na UFMG; Básico de Engenharia na AMAN - Resende - RJ; Bacharel em Direito pela UNIMONTES (OAB/DF: 16.062); ex-Gerente da Caixa Econômica Federal; Colaborador da banca do CESPE, desde 2003. Pós-graduado em Mercado Financeiro e Empresarial (Administração e Finanças) - MBA pela Fundação Getúlio Vargas; Pós-Graduado (Especialista) em Direito Tributário pelo IBET - Instituto Brasileiro de Estudos Tributários; Pós-Graduado em Direito Processual Civil, pela Universidade Gama Filho; Analista Judiciário (Atividade Processual) do TJDFT: Diretor de Secretaria.

 

Clique aqui e participe da promoção para concorrer a uma apostila do cargo de Escriturário